Logo Veteran Car Joinville
placa preta
banner veteran

Evento reúne clássicos italianos em SP     
Ferrari, Maserati, Lamborghini, Fiat e Alfa Romeo foram as estrelas da noite

A tradição dos carros esportivos italianos começou no início do século XX, com o destaque de vários modelos nas corridas em circuito fechado, nas ruas e também entre as cidades europeias. Esta tradição que remete a marcas como Alfa Romeo, Fiat, Lamborghini, Maserati, Ferrari entre outras, foi celebrada na noite desta terça-feira, no Sambódromo do Anhembi, com o desfile dessas “macchinas”.

A abertura do evento teve duas réplicas de modelos de corrida; uma inspirada no Maserati 1946, com motor AP 2000 e carroceria de alumínio, e um L’Automobile 1983, réplica do Alfa Romeo 1931, feita com mecânica VW, e detalhes interessantes como as rodas cromadas e a cinta que prende o estepe na parte externa.

Para os fãs de carros urbanos, a Noite Italiana trouxe o Fiat 500 Abarth na cor vermelha, e um Fiat 600, absolutamente originais. Em seguida, um Fiat 147 turbo, levemente customizado e um raríssimo Fiat 124 Spider conversível com motor 1.4-litro (79 cv de potência) alimentado por quatro carburadores.

O Clube do Alfa Romeo teve grande destaque e levou modelos raros, exceto a primeira geração do modelo 2300 que passou a ser fabricada no Brasil em 1974. Os carros que ostentam o símbolo “quadrifoglio” apareceram nas versões esportivas e também os sedans, que foram por muito tempo um dos carros mais luxuosos e caros à venda por aqui.

Duas Alfa Spider da década de 1970 se destacaram pelo estilo conversível, com destaque para o motor de alumínio com 2.000 cc e 130 cv de potência, com ótimo desempenho. Em seguida, os clássicos modelos GTV cupê, com diferencial blocante, que melhorava sua performance esportiva.

Seguindo a linha cronológica, o desfile contou com diversos exemplares do Alfa Romeo Spider da década de 1990, que foi muito desejado pelo seu motor 3.0 V6. Outro modelo dessa geração era sedan 164 que trazia itens de carro luxuoso, e foi objeto de desejo após a abertura das importações em 1992.

Outros modelos de destaque foram os sedans 2600 da década de 1980, tempo em que o Alfa Romeo concorria diretamente com o Ford Galaxie. Vindo de uma escola europeia, que tende a seguir uma linha esportiva, o público admirou modelos fabricados em 1980, 1984 e 1986, a última série brasileira, que trazia itens de conforto como vidros, travas e retrovisores elétricos, freios a disco nas quatro rodas e um conjunto mecânico muito bem acertado.

Os modelos 164 e um raríssimo Alfa Romeo 166 com sua imponente carroceria aerodinâmica também fizeram bonito na pista do Sambódromo.
Ainda entre os clássicos, desfilaram os Alfa Giulia 2600, e até um modelo 2600 Touring verde, raro e desejado entre os colecionadores.

FNM Onça: testemunho de época

Um dos carros mais interessantes do desfile era sem dúvida o FNM Onça, lançado no Salão do Automóvel de 1966 em São Paulo, que dividiu as atenções do público também impressionado com o Ford Galaxie. O carro foi projetado por Rino Malzoni, com plataforma encurtada do luxuoso sedan FNM JK.

No desfile, o carro exibiu suas linhas esportivas inspiradas claramente nos Mustang da época, com detalhes exclusivos e a placa amarela, ainda original. O carro que teve apenas seis unidades fabricadas é de um único dono e marca apenas 50 mil km rodados sem restauração.

Grandes esportivos

A segunda parte da Noite Italiana teve modelos esportivos lendários, clássicos e atuais. O primeiro a desfilar foi a Ferrari Dino 1974, um dos mais conhecidos da marca italiana. A versão Daytona America tem rodas Campagnolo, motor central V6 de 200 cv de potência e chega aos 230 km/h favorecidos pela sua aerodinâmica.

O Lamborghini Uraco, exemplar único no Brasil, também exibiu suas linhas retas da década de 1970, e estado exemplar de conservação. Com carroceria desenhada por Bertone, o carro traz motor V8 3.0-litros.

O Maserati foi outro grande destaque da noite. Fábio Pagotto, um dos apresentadores do evento, lembrou que o modelo trazia uma série de itens de conforto que eram incomuns na Ferrari por exemplo.

Falando em Ferrari, o modelo 355 arrancou com rapidez na pista do Sambódromo e levantou o público que assistia o evento das arquibancadas. O mesmo aconteceu com os modelos 456 GTA (com motor V12 dianteiro), a F355, F550 Maranello e a F360 Modena, com câmbio automático de “borboletas” usado na Fórmula 1 e Kit Challenger que inclui itens como escapamento feito em aço inox.

Texto: Marcos Camargo
Fotos: Divulgação