Logo Veteran Car Joinville
placa preta
banner veteran

O que o passado tem de bom     
 Paixão por carros


Quem chega e recebe um tour na empresa de aparelhos odontológicos de Gilmar Gonçalves pode até pensar que ele está tentando frear o tempo. Mas ele não tira o pé do acelerador. “Comecei a dirigir com nove anos”, conta, sorrindo.


O pai dele tinha um Mercury e um Simca 59. Quando ele resolveu colecionar, o número de carros no estacionamento do prédio e da empresa aumentaram. “Na época o interesse não era muito grande, hoje é quase impossível conseguir.” 

Muitos carros, ou melhor, volantes já passaram por suas mãos. Dele e dos descendentes dele. De mais ninguém. “Pedem para ver, para levar para o casamento, até as blitz e a Polícia Rodoviária me param para ver o carro”, revela. “Eu levo no casamento, mas não empresto o carro. Só eu e meus filhos dirigimos. Estranhos não.”

Ele foi dono do carro mais antigo de Santa Catarina, o Ford T, de 1921, e guarda mais perto de si, até os dias de hoje, seu xodó. Um Chevrolet Bel Air, azul piscina, de 1956. A coleção dele também se estende aos carros em miniaturas, até os Hot Wheels.

“Os carros antigos são muito resistentes, eles só não são eram tão seguros”, informa. E, como são pesados, os automóveis de época também não são nada econômicos. Em meio a todos os pontos e contrapontos, a paixão fala mais alto. “É preciso ter o ferrugem no sangue”, declara. “Depois que o cara pega, ele não consegue parar de comprar.” 

Gonçalves é um dos sócios fundadores do Veteran Car Club de Joinville. Fundado em 1996, o clube participa de eventos nas escolas, desfiles e gincanas. “Vamos sempre que somos convidados.” O grupo é “eclético”, reúne cobradores, construtores, empresários, engenheiros e mecânicos. “Não precisa nem ter carro. Basta gostar para ser sócio”, avisa. “Não existe distinção.” 

O aspirador de pó, o calibrador de pneus, o assustador aparelho odontológico, a geladeira e o refrigerador eram os objetos mais baratos na época. Saudoso, ele os guardou. “Sempre que posso vou nos antiquários ou no ferro velho comprar alguma coisa.”


Materia completa em  http://www.ielusc.br/portal/?REVI&NOT=2774